Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

quarta-feira, maio 29, 2013

Balanço - 2



Entendo que o exercício de qualquer cargo, político ou outro, deve alcançado com base na verdade e não em tentativas manhosas de enganar quem não está ou não tem possibilidade de estar devidamente esclarecido.
É certo que a política é uma área em que uma grande maioria da população não está nem quer estar “por dentro” e será, provavelmente, por isso que o país chegou ao estado em que está. Para muitos, a política está ao  mesmo nível dos clubes de futebol (mais coração e menos razão) .
Bastará dizer, a título de exemplo que, num ano aziago para benfiquistas, não haverá um único adepto que mude para o Porto. É uma questão de coração , onde a razão não tem cabimento e daqui não vem mal ao mundo (ao país, entenda-se).
O problema é quando os  partidos políticos assumem o estatuto de clubes de futebol, nos quais os “adeptos” votam cegamente, mesmo que nada ou  pouco esclarecidos.
Percebendo-se esta falta de interesse por parte dos cidadãos, não falta por aí gente que, sem grande esforço, consegue o que quer, para depois deixar tudo na mesma, senão mesmo pior.
Vem isto a propósito do que foi prometido ao povo de Canelas há 4 anos atrás. A imagem é do folheto distribuído pela coligação PSD/CDS-PP e o exercício que aqui se propõe é de uma grande simplicidade: validar cada promessa no cumprimento da afirmação espelhada no 3º parágrafo do referido folheto,  em que se faz alusão ao “respeito pela opinião de todos, pois sabemos que estão atentos às realidades da Nossa Aldeia”.
Recordar-se-ão aqui uma a uma, tema a tema,  as citadas promessas, deixando as respectivas validações  ao cuidado dos Canelenses.

1º tema: SOCIAL
Criação de gabinete de apoio social
Serviço de apoio ao cidadão
Manutenção e melhoria contínua dos serviços de saúde.
O desafio está lançado!

segunda-feira, maio 27, 2013

Balanço - 1


Na recta final de mais um mandato, é tempo de balanço.
Lembro-me que, há sensivelmente 4 anos,  no dia da apresentação da lista por mim liderada  e do Programa para o concelho e para Canelas, que a candidatura do Fernando Mendonça preconizava, deixei publicamente o desafio para que cada Canelense guardasse o folheto que distribuímos  e que, caso ganhássemos a Câmara e a Junta de Canelas, nos confrontassem no fim do mandato e nos apontassem as obras que tivessem ficado por fazer.
A isto chama-se seriedade e não propaganda barata como a que já estamos habituados .
Pois bem; é esse exercício que pretendo fazer aqui e agora: o balanço de mais 4 anos.
Comecemos então pelo panfleto da coligação, intitulado “Canelas o Melhor Caminho”. Provavelmente a maioria, ou melhor, a quase totalidade dos habitantes da freguesia não se lembrarão já das promessas que lhes foram feitas - ou renovadas – nessa altura.
Mas, não sendo elas muitas, também não se afigurará difícil esse avivar de memória.
Dizia o tal folheto da coligação que “até 2012, a EN109 será urbanizada, com passeios, menos pesados e mais segurança”. Mesmo não entendendo o que se pretende dizer com os “menos pesados”, a velhinha 109 aqui está exactamente na mesma, ou melhor: mais degradada.
Segue-se o Centro Cívico. “Além do estudo para sul, terá projecto envolvente à Rua de S. Tomé, visando estacionamento e um equipamento cultural”. Pois… nem obra, nem projecto!
Dando de vantagem o apoio às colectividades,  a reivindicação de uma farmácia, se é que houve, não passou disso mesmo.
Relembra-se a beneficiação interior da escola – uma escola que provavelmente em Setembro fechará definitivamente as suas portas, por iniciativa e responsabilidade exclusiva da CME.
Fala-se depois do Projecto Agrícola do Baixo Vouga – também ele no ponto zero.
Diz-se a seguir, que “o Ribeiro renasceu e cresceu com o primeiro Campo de Andebol de Praia. O arranjo do Parque do Mercado já se vê (…) e vamos continuar a recuperar essa área pois a 2ª fase do Ribeiro e envolvente é das primeiras obras do Polis da Ria como definido pela Câmara”. Do campo de andebol nem valerá a pena falar aqui, uma vez que a sua utilidade / utilização não vai além da nulidade. Quanto  à  2ª fase das obras… nem vê-la!
Fala-se seguidamente nos jovens (fica sempre  bem falar nos jovens), ligando-os (?)à Estação Viva  e à redução das taxas para construção e habitação. Melhor seria dizer-se qual a taxa de IMI praticada no município ou mesmo perguntar em que é que os jovens beneficiaram da acção da CME.
E termina com assim: “Canelas está mesmo n’O Melhor Caminho e em equipa com o Gabriel Tavares acompanhado pelo Sr. Simões, queremos continuar a trabalhar mais pelos Canelenses.” Qualquer cidadão, por muito pouco esclarecido que esteja, percebe facilmente que não se cansaram. Basta olhar à volta.
É tempo de o povo perceber que há outras opções, com gente que se interessa por Canelas e pelos Canelenses. Gente com projectos para serem concretizados e não para serem apenas “armas” de campanhas eleitorais. Gente que sabe que isto dá trabalho e que está disposta a encarar este desafio, acima de tudo, como um dever de cidadania por amor à sua terra.
Falar-se-á oportunamente, também em jeito de balanço,  do programa mais detalhado que foi prometido para Canelas pela coligação PSD/CDS. Recordar-se-ão também as propostas da candidatura do Futuro Feliz, para que se percebam as diferenças entre a tal mão cheia de tudo e a mão cheia de nada com que a minha terra foi brindada, mais uma vez.

terça-feira, maio 14, 2013

Até quando?

Um pobre pode viver com dignidade desde que o respeitem e não lhe retirem a esperança de uma vida melhor;
O que este governo está a fazer é transformar um país pobre num país miserável, roubando ao povo as elementares condições para uma vida - que já não se pretende boa mas tão só - digna.
Até quando, sr. presidente?