Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

domingo, junho 26, 2011

Chegou o Verão

... e com ele as festas, festarolas, comemorações e celebrações por tudo o que é  canto deste país.
No actual contexto económico de Portugal, deveria ser considerado crime - passível de julgamento  e perda de mandato - o desperdício desenfreado de dinheiros públicos que se praticam neste âmbito por todo o país, e de que Estarreja é flagrante exemplo.
Em nome da cultura torram-se milhares de euros em programas e realizações que mais não são que meros actos de diversão, já que a dita cultura deles anda arredada anos-luz. Por aqui tudo serve para encher programas a que se chamam culturais, assim como quem enche chouriços.
Não fosse o país estar economicamente na completa dependência de terceiros, e até se poderia tolerar alguma desta fantochada. Contudo, numa altura em que o governo se prepara para começar a implementar duras medidas que possam conduzir à desejada recuperação económica do país, medidas essas que, uma vez mais,  cairão sobre os contribuintes, que direito têm os senhores autarcas de perder um único euro que seja em coisas que não o essencial para as populações?
Está claro - ou ainda não? -  que Portugal sobrevive, nesta altura, mercê dos empréstimos e da venda, a qualquer preço, da sua dívida. A hora de se devolver esses milhões e respectivos  juros vai chegar rapidamente, pelo que terá de haver muita seriedade e rigor nos gastos, a fim de que o país arranje a "massa" para que o futuro não seja pior que o presente.
É por isso incomportável que a gestão dos orçamentos municipais e locais continue a ser feita como se o país vivesse no maior dos desafogos financeiros. E depois é ver os senhores presidentes de Câmara gritar contra os cortes das transferências do Estado quando desbaratam milhares e milhares de euros em festas e carnavais. 
No mínimo, deveria o governo impôr, desde já, um limite na inclusão nos Orçamentos, de verbas afectas a operações de teatro que em nada resultam.

Sem comentários: