Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

segunda-feira, setembro 13, 2010

Aldeia de Canelas - 3

ASSENTO DE BAPTISMO
Aos dezesete dias do mêz de Julho de mil setecentos e sessenta e três, baptizei a Francisco Joaquim, filho legítimo de Manuel Fernandes e de Ana Maria Hibingre, da Pedregosa, desta frequezia de S. Thomé de Canellas, bispado de Coimbra; neto paterno de Manuel Frernandes, e de sua mulher, Joanna Dias, d'esta freguezia de Canellas e materno do capitão Gaspar Hibingre e de Maria Catharina Hibingre, da cidade de Viena d'Austria. Nasceu aos nove do dito mêz e anno. Foram padrinhos Francisco da Silva Martins e Maria, donzella, filha de Manuel João de Figueiredo, da mesma freguezia, e testimunhas o M. R. P. António da Trindade, e Domingos Dias Henriques: do que tudo fiz este assento, que assignei. Era ut supra. O cura José dos Santos Barbosa Carrancho - P. António da Trindade - Domingos Dias Henriques.
 
Francisco Joaquim Bingre foi, porventura, o mais ilustre filho desta freguesia de Canelas. Um grande poeta, ao nível de Bocage - com quem fundou a Nova Arcádia -  que só não teve a projecção deste devido à sua persistente "mania" de querer passar despercebido.
Dispensar-me-ei de traçar novamente os seus dados biográficos que podem ser consultados [aqui]. 
A intenção é tão só trazer ao presente, uma vez mais, o poeta e a sua obra, porque nunca será demais fazê-lo.
[Aqui] podem ser lidos alguns dos mais belos sonetos que a sua pena produziu.
Em jeito de aguçar o apetite, abaixo ficam mais dois, talvez menos conhecidos, mas não menos notáveis.


Com a Fortuna não Perde o Ser de Besta
 
Na carreira veloz, a deusa cega
Lança às vezes a mão a um feio mono
E o sobe, num instante, a um coche, a um trono,
Onde a Virtude com trabalho chega.

Porém se, louca, num jumento pega,
Por mais que o erga não lhe dá abono:
Bem se vê que foi sonho de seu sono,
Quando a vara ou bastão ela lhe entrega.

Pouco importa adornar asno casmurro
Com jaezes reais, mantas de festa,
Se a conhecer se dá no rouco zurro.

Quem, no berço, por vil se manifesta,
Quem nele baixo foi, quem nace burro,
Co'a Fortuna não perde o ser de besta.

Francisco Joaquim Bingre, in 'Sonetos'


A Fúria Mais Fatal e Mais Medonha

Das Fúrias infernais foi sempre a Inveja
No mundo a mais fatal e a mais medonha,
Pois faz dos bens dos outros a peçonha
Com que a si mesma se envenena e peja.

Com ira e com furor, raivosa, arqueja,
Com vinganças, traições, com ódios sonha.
Onde quer que se encoste e os olhos ponha,
Tragar as ditas dos mortais deseja.

Mãe dos males fatais à Sociedade,
Vidas, honras destrói, cismas fomenta,
Nutrindo n'alma as serpes da Maldade.

O próprio coração que come a alenta,
Vive afogada em ondas de ansiedade,
Da frenética raiva se alimenta.

Francisco Joaquim Bingre, in 'Sonetos' 

Sem comentários: