Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

segunda-feira, abril 19, 2010

O pão nosso de três milhões nos dai hoje...

É pública e notória a inversão de valores que tomou conta da sociedade portuguesa.
Presentemente, o circo é feito por profissionais de luxo e os palhaços passaram para o lado de fora, para a assistência.
António Mexia de seu nome, ministro das Obras Públicas,  Transportes e Comunicações ao tempo de Santana Lopes, actualmente Presidente Executivo da EDP, vai embolsar durante o corrente ano 3,1 milhões de euros!!!
O supra-sumo gestor do luso império "percebe o momento social" mas... este passa-lhe completamente ao lado pois vê-o de cima, muito de cima. 
É fácil assim resistir a todas as crises económicas, por mais devastadoras que sejam,  quando se engorda a conta bancária desta forma ignóbil e repugnante e com o acordo e aplauso dos accionistas da empresa, que mais não pretendem que a mesma coisa, mesmo que para isso o consumidor tenha de pagar com o próprio sangue o preço da energia.
Não creio que, por muito inteligente, aplicado e competente que seja um ser humano, possa merecer tal remuneração, sobretudo atendendo ao momento crítico que o país atravessa.
Percebe-se aqui e agora porque não baixa a EDP a factura mensal aos consumidores.
Uma sugestão: aproveitar as altas competências do referido senhor e da sua equipa de excelência para a recuperação das empresas públicas que presentemente dão prejuízo. De que está o governo  à espera para proceder às nomeações? 



3 comentários:

Conde da Carvalha disse...

Este caso é o retrato fiel da cúpula da actual sociedade portuguesa:demagógica, desiquilibrada, desonesta! Este é o senhor que, sendo tão competente (?), quando foi ministro dos transportes e se começava a falar na possibilidade de portajar a então nóvel A25, defendia a medida alegando que aquela rodovia tinha alternativa perfeitamente capaz para quem não queria pagar. Lá do gabinete de Sua Excelência, a velhinha estrada das mil curvas pelo Vale do Vouga acima ou a estrada serrana de Águeda pelo Caramulo a caminho de Viseu eram alternativas credíveis... e é o gestor de topo, o que faria se não fosse... Enfim, incompreensível e escandaloso que um senhor que tem a possibilidade, pelo monopólio de que a EDP goza, de garantir resultados com o simples fecho de delegações e despedimento de funcionários e o aumento a belo prazer do preço da energia quando lhe apetece, seja endeusado e pago desta maneira... Já agora, o senhor acha-se merecedor de tais valores, não tem tido problema nenhum em afirmá-lo categoricamente nos meios de comunicação social, eu, na minha qualidade de cliente e de cidadão, quanto à qualidade do serviço prestado pela EDP acho que o senhor não merece nada disso nem parecido...e só para exemplo, na minha rua há dois candeeiros fundidos há quase dois meses!!! Ah! Claro, o que o cidadão anónimo pensa não interessa para nada, o que o senhor administrador pensa é que risca...P... que os p...!!!

Anónimo disse...

Boa ideia, nunca tinha pensado nisso: os gestores mais bem pagos serem nomeados para empresas que dão prejuízo para provarem as suas competências.
P.S. Há um par de anos li na imprensa a média dos rendimentos anuais dos gestores europeus só fixei estas: Reino Unido 750.000 Portugal 270.000 Espanha 250.000 Alemanha 180.000. Mário Crespo comentando estes nºs dizia que assim não sendo «os melhores não seriam convocados a resolver os problemas.» Pois, iriam todos para o RU. Aliás, só o não faziam por puro patriotismo e em vez de 750 mil contentavam-se com 270.000. Os ingleses que tenham paciência.

Pires da Póvoa disse...

Ora nem mais, dar-lhes uma empresa com os pés para a cova e ver que a consegue ressuscitar! É dificil numa empresa como a edp por aquilo a dar prejuízo. Só se a malta voltar ao tempo da vela e do gasómetro! Mas o mais curioso para mim é ver estes "artistas" como gestores de diversas empresas em simultâneo... há gente de uma competência e profissionalismo! Somos bons!