Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

sexta-feira, abril 16, 2010

FALA QUEM SABE

The Next Global Problem: Portugal à beira da bancarrota.
[Este artigo] do New York Times sobre a actual situação financeira do país, parece ser demasiado claro para qualquer cidadão comum enquanto o(s) governo(s) insiste(m) em fazer vista grossa sobre o assunto.
Ofende-se o sr. Ministro das Finanças quando alguém insiste em apontar a realidade do país equiparando-a à da Grécia. Mais não faz do que tentar camuflar aquilo que parece inevitável: o colapso da economia lusa.
Ao invés de  apostar na revitalização da economia interna, que passa forçosamente pelo aumento de produtividade das empresas,  pela sua competitividade e consolidação no mercado internacional  e por uma substancial redução da despesa pública, o governo dá sucessivos tiros nos pés pensando que a situação caótica do país se resolve com empréstimos em cima de empréstimos.
Ora, não será difícil a qualquer leigo perceber que os empréstimos têm de ser pagos - e com juros - sendo que, para um país que há mais de 30 anos consome muito mais do que produz, o mesmo é dizer que jamais nos livraremos desta situação de sufoco financeiro, resultante desta verdadeira bola de neve. É óbvio!
Resta-nos, à semelhança de um qualquer moribundo, esperar o fim, tanto mais que, contas feitas e segundo o JN do dia, a moderna política dita social, faz com que quem não trabalha ganhe mais do que quem cumpre 8 ou mais horas de labor. Assim sendo, a conclusão parece óbvia: burro é quem trabalha, sobretudo aqueles que ganham o ordenado mínimo ou menos ainda.
A ideia subjacente a estas políticas parece ser mesmo a de que se o trabalho dá saúde, que trabalhem os doentes.
Pobre país... este que outrora foi de gente arrojada, e conquistadora e que ora se ajoelha perante quem lhes desfere golpes mortais.

1 comentário:

Conde da Carvalha disse...

Ficar em casa dá mais dinheiro do que trabalhar...Mas alguém tem dúvida??? Três exemplos concretos e fresquinhos: 1º- Café precisa de duas funcionárias. Salário mínimo mais refeições, trabalhar ao sábado...Ainda não conseguiu as funcionárias. 2º - Fábrica, trabalho de limpezas. Esteve lá 2 dias, ao terceiro foi embora porque varrer e limpar pó era muito cansativo e estragava-lhe as unhas. 3º - Um russo acabado de chegar, ao 3º dia estava a trabalhar numa fábrica. Pois... os portugueses preferem receber o rendimento mínimo, o abono, o subsídio da renda jovem, etc, etc, os russos que chegam que vão trabalhar e quem paga impostos que aguente a carga desta chulagem toda que os governos patrocinam...