Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

sexta-feira, março 05, 2010

EN 224-2

A blogosfera tornou-se, de facto, num poder emergente que divulga, aplaude, critica, informa sobre as mais variadas situações. Pelo facto de chegarem onde nunca chegaram os jornalistas ou os repórteres de rádio ou televisão, os blogs tornam-se, por vezes, incómodos ou mesmo corrosivos sobretudo para o poder e seus detentores que gostam apenas de publicitar o que convém, omitindo a outra parte do copo - a vazia.
É por isso que, se os blogues incomodam, os seus autores são geralmente considerados personae non gratae e a vontade de os calar é mais que muita.
Contudo, quer seja nas empresas, nas repartições ou outros organismos públicos, ou no conforto do lar, diariamente os contadores de visitas e os registos de IP's contabilizam milhões de horas de leitura blogosférica, mesmo que se não queira admitir tal.
É por isso sabido que, na primeira oportunidade do dia, lá estão os "Sem Rumos" deste país nos monitores dos computadores de norte a sul do país.
Vem isto a propósito de que, por vezes, os blogues também servem para empurrar o "barco" como parece ter acontecido com a questão da EN 224-2 que se vem arrastando no tempo indefinidamente.
Claro que tudo estava previsto e, o facto de só agora a autarquia dar mostras de querer resolver em definitivo o problema, é uma mera coincidência - todos o sabemos.
Também foi assim com a reparação da margem do rio Antuã e já o tinha sido anteriormente com os casos das lamas, morte dos peixes e suposta plantação de kiwis, para não falar em mais nada.
Mas, voltando ao assunto da EN 224-2 que liga Avanca a Pardilhó aí vem, ao que parece, mais um negócio "daqueles" para Estarreja. Segundo o JN (ler aqui), a Câmara propõe a transferência da referida via para a competência municipal, o que por si só representa, no futuro, a responsabilidade financeira da conservação de mais 7 Km de estrada, à semelhança do que aconteceu com a EN1-12 que liga Salreu a Soutelo.
Segundo a Câmara Municipal de Estarreja, a dita transferência implica a realização prévia de obras com as quais se pretende, e cito, "ultrapassar durante o lapso de tempo de 2 anos o problema que há tanto tempo se arrasta". O que quer que seja que isto queira dizer, o mais provável é que depois das obras feitas, [este] e outros Pardilhoenses lá tenham de ir fazer praia para outro lado.

1 comentário:

Falcão Peregrino disse...

Enfim, a falta de carácter e de vergonha e o saber-se que se está em terra de cegos encoraja os chicos-espertos deste país a usar estes truques baixos e a procurar (e a ter) proveito disso. É só olhar à volta, em Portugal os valores morais vão-se perdendo em ritmo acelerado, o oportunismo e os oportunistas vão ganhando terreno em toda a linha.