Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

quarta-feira, dezembro 02, 2009

CITAÇÃO

Em 1867, escrevia Eça de Queiróz:

"Ordinariamente todos os ministros são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver crises. Não têm a austeridade, nem a concepção, nem o instinto político, nem a experiência que faz o Estadista. É assim que há muito tempo em Portugal são regidos os destinos políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. País governado ao acaso, governado por vaidades e interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível conservar a sua independência?"

Actual? - Actualíssimo!!!

7 comentários:

Falcão Peregrino disse...

O Zé Pagode continua a votar na camarilha que o vai roubando dia a dia e que tem posto este país de rastos, portanto nada a fazer... é a democracia a funcionar para o bem e para o mal. De vez em quando surgem uns tímidos sinais (num concurso qualquer da RTP há uns meses foi consagrado como o maior português do século XX o Salazar...), mas o povinho continua de joelhos, anestesiado e imbecilizado. Até quando?... Receio que ainda vá demorar muito tempo...

Acácio Rouxinol disse...

O facto de isto ser actual (ACTUALÍSSIMO), sinceramente… ASSUSTA-ME!
Será que iremos ter, à boa moda portuguesa, este triste fado… PERPETUAMENTE?
Acácio Rouxinol

Anónimo disse...

AS LEIS SÃO COM AS TEIAS DE ARANHA: OS PEQUENOS INSECTOS FICAM PRESOS. OS GRANDES, FURAM-NA.

Duque de Canelas disse...

Eça de Queirós também dizia “os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão”.

Duque de Canelas disse...

Concordo com tudo o que Eça escreveu, mas tinha a ideia de que quem concorria às eleições autárquicas também era político...

CR disse...

Caro Duque,
Haverá quem concorra às eleições autárquicas por motivos políticos, sejam eles de afirmação ou outros. Há também os que o fazem por completo desconhecimento do que se trata, mas há também quem o faça por motivos cívicos, de cidadania. Haverá quem transforme a gestão de uma freguesia com 1000 ou 2000 almas num acto de diversão política, mas haverá também quem o faça com sentido de responsabilidade, afastado dos meandros, por vezes escabrosos, da política.
Cpts.

Duque de Canelas disse...

"Político" é aquele que se dedica à "Polis"(cidade em grego com o nosso abecedário), "Res publica" em Latim, independentemente da dimensão.
Civismo é quando se procura servir a comunidade, mas o que temos visto é muita gente que se serve dos cargos, como muitos políticos... mas concordo que não há motivos para incluir CR neste lote.