Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

terça-feira, outubro 27, 2009

NA ORDEM DO DIA

Parece-me sem retorno a decisão de incluir a linha Aveiro-Salamanca, na Rede Europeia Ferroviária de Alta Velocidade. Pessoalmente, apesar de não gostar da ideia, acho-a mais rentável do que a ligação Lisboa-Porto.
Mas, goste-se ou não; necessária ou nem por isso; importante ou de utilidade diminuta, tenho por certo que o tempo de contestação está há muito esgotado, se é que o houve.
Tal como refere o Jornal de Negócios, trata-se de um compromisso entre países, assinado pelo governo de Durão Barroso e Paulo Portas, cujo incumprimento teria consequências (político-económicas) óbvias e incalculáveis, sobretudo para Portugal.
Sendo um projecto assumido igualmente pelos governos socialistas que sucederam a Durão Barroso, percebe-se que a contestação tenha aqui um espaço diminuto e efémero.
Assim, e tendo em vista os interesses do concelho, há que escolher entre a insistência na contestação e o aproveitamento do tempo para elaborar um caderno de contra-partidas devidamente fundamentado, a ser apresentado e negociado a seu tempo.
Estou certo de que isso poderá marcar a diferença e o futuro do concelho, pelo que é necessário avaliar seriamente, quanto antes, a opção a seguir.
Caberá à Câmara Municipal e às Juntas das Freguesias envolvidas no processo, um importantíssimo papel com vista ao máximo aproveitamento do impacto negativo que a referida construção vai ter no concelho.

NOVO TEMPO

"A única maneira de um indivíduo permanecer coerente nas circunstâncias movediças em que vivemos, é mudar com elas sem abandonar uma orientação dominante e directora."

Winston Churchil

Esclarecidas que estão as dúvidas de muitos; proporcionado o necessário tempo e espaço de análise; aturados três ou quatro atrasados mentais que, obviamente, também têm direito à vida; filtrada a má educação de um ou dois; reconhecida a incredulidade de outros; tolerados ódios e rancores; moderados 5 comentários que guardo religiosamente (com IP's e tudo... um dia ainda falaremos de cobardia), eis-nos no limiar de um novo tempo.
Um tempo que uns encaram com alguma ansiedade, outros com expectativa e outros ainda com responsabilidade. Um tempo seguramente diferente, filtradas que estão hipocrisias e falsidades.

Um agradecimento, devido, aos que confiaram, o respeito pelos que o não fizeram, e a certeza - para todos - de que a ingenuidade mora na porta do lado.

sábado, outubro 17, 2009

IDEIAS POLÍTICAS

Recentemente, entre a poeira de algumas campanhas políticas, tomou de novo relevo aquele grosseiro hábito de polemista que consiste em levar a mal a uma criatura que ela mude de partido, uma ou mais vezes, ou que se contradiga, frequentemente. A gente inferior que usa opiniões continua a empregar esse argumento como se ele fosse depreciativo. Talvez não seja tarde para estabelecer, sobre tão delicado assunto do trato intelectual, a verdadeira atitude científica. Se há facto estranho e inexplicável é que uma criatura de inteligência e sensibilidade se mantenha sempre sentado sobre a mesma opinião, sempre coerente consigo próprio. A contínua transformação de tudo dá-se também no nosso corpo, e dá-se no nosso cérebro consequentemente. Como então, senão por doença, cair e reincidir na anormalidade de querer pensar hoje a mesma coisa que se pensou ontem, quando não só o cérebro de hoje já não é o de ontem, mas nem sequer o dia de hoje é o de ontem? Ser coerente é uma doença, um atavismo, talvez; data de antepassados animais em cujo estádio de evolução tal desgraça seria natural. A coerência, a convicção, a certeza são além disso, demonstrações evidentes — quantas vezes escusadas — de falta de educação. É uma falta de cortesia com os outros ser sempre o mesmo à vista deles; é maçá-los, apoquentá-los com a nossa falta de variedade. Uma criatura de nervos modernos, de inteligência sem cortinas, de sensibilidade acordada, tem a obrigação cerebral de mudar de opinião e de certeza várias vezes no mesmo dia. Deve ter, não crenças religiosas, opiniões políticas, predileções literárias, mas sensações religiosas, impressões políticas, impulsos de admiração literária.
(...)Convicções profundas, só as têm as criaturas superficiais. Os que não reparam para as coisas quase que as vêem apenas para não esbarrar com elas, esses são sempre da mesma opinião, são os íntegros e os coerentes. A política e a religião gastam d'essa lenha, e é por isso que ardem tão mal ante a Verdade e a Vida. Quando é que despertaremos para a justa noção de que política, religião e vida social são apenas graus inferiores e plebeus da estética — a estética dos que ainda a não podem ter? Só quando uma humanidade livre dos preconceitos de sinceridade e coerência tiver acostumado as suas sensações a viverem independentemente, se poderá conseguir qualquer coisa de beleza, elegância e serenidade na vida.
Fernando Pessoa - "Ideias Políticas"

segunda-feira, outubro 12, 2009

DE CONSCIÊNCIA TRANQUILA

Antes de mais, saudar os vencedores e encorajar os vencidos. A vida é feita de vitórias e derrotas; importa que as primeiras sejam mais que as segundas.
Apesar do bom resultado obtido, e de ter conseguido mais um mandato na Assembleia de Freguesia, não sou daqueles que vêem vitórias onde elas não existem. Perdemos, ponto final.
Era um dos cenários possíveis, prévia e cuidadosamente analisado, tendo em conta a enormidade do desafio.
Obviamente que o desfecho seria diferente se os partidos da coligação concorressem em separado, mas isso não serve de atenuante, uma vez que as regras do jogo eram conhecidas desde o início.
Em 1993, quando o PSD viu ameaçada, pela primeira vez, a sua hegemonia, tratou de se "encostar" ao CDS a fim de garantir, democraticamente, o preenchimento das cadeiras do poder no concelho.
Acredito que, e tendo em atenção a crescente afirmação do PP no concelho e no país, dificilmente a coligação se manterá nos próximos actos eleitorais. Mas esta nota fica apenas para a posteridade.
O que importa mesmo é, neste momento, aceitar a escolha do povo e esperar que o próximo mandato seja, de facto, pautado por uma maior actividade por parte da Junta e CME, e pelo respeito desta por todas as freguesias do concelho.
É certo que há quem se deixe iludir por umas inaugurações de coisa nenhuma a duas semanas ou mesmo a um dia das eleições. É uma artimanha que ainda dá frutos, mas que classifica muito mal tanto quem a produz como quem por ela se deixa envolver.
Mas finalmente há quem possa dormir descansado...
O PSD não perdeu a junta de Canelas; a malta pode continuar a desancar, insultar e injuriar os vencidos; a internet continuará a ser de borla; o grupo dos bordados pode permanecer nas instalações da junta; a banda continuará a usufruir da sua sede; plantar-se-ão mais umas palmeiras no campo; as valetas continuarão a ser limpas e para o ano voltaremos a ter a excursão à Quinta da Malafaia. Tudo regressa, assim, à normalidade.
Talvez para incómodo de alguns, o momento não é de desespero mas de tranquilidade pelo dever cumprido. Um dever de cidadania que fez com que um grupo de cidadãos, legitimamente e colocando a freguesia acima de qualquer partido, desse a cara por um projecto em que acreditam - uma atitude digna, ao alcance de poucos. O resto é paisagem.
Se voltasse atrás, faria tudo na mesma, talvez com outra envolvência apenas. É por isso que estou de consciência completamente tranquila.

sábado, outubro 10, 2009

NÚMERO DE ELEITOR

Encontra [aqui] uma forma cómoda de saber o seu número de eleitor. Basta preencher os campos referentes ao Nome e à Data de Nascimento.
Identificando-se correctamente, facilitará o trabalho dos Membros das mesas Eleitorais.

sexta-feira, outubro 09, 2009

COMENTÁRIOS

Decidi, no início da campanha para as eleições autárquicas, encerrar os comentários neste blog por entender que o momento era demasiado sério para aqui se descarregar ódios, paixões e má educação.
Tendo em conta que se avizinha o fim da campanha eleitoral, serve este post para reabrir oficialmente a caixa de comentários do blog embora com a moderação activada, a fim de evitar a grosseria que se assiste em outros espaços.
Serão publicados todos os comentários, desde que não ofensivos para quem quer que seja.

O MESMO PESO, A MESMA MEDIDA

Confesso que gostei de ler [este] post.
Haverá em Fermelã quem não concorde com a análise - e não me compete opinar sobre isso - mas, tendo em conta os pressupostos explanados para se perceber "quem está melhor preparado para liderar uma junta", estou certo que o amigo Zé Matos, a ser coerente com o que escreve, não teria dúvidas em votar no PS, se fosse eleitor aqui em Canelas. Felizmente não é e não terá esse peso na consciência...

FINALMENTE

A pouco mais de 11 horas do fim da campanha eleitoral, haverá muita gente que anseia esse momento.
Em boa verdade, às 19h00 do próximo domingo, estará decidido o futuro do concelho e das suas 7 freguesias. Tudo terá então passado e, olhando para trás, a imagem que fica é, exceptuando-se um ou outro momento, a de uma campanha que não deixa saudades. Uma campanha assente em difamações, mentiras, exageros e desesperos.
Quero acreditar que todos os que estão envolvidos nas listas que vão a votação têm uma coisa em comum: o desejo de ver o concelho e as freguesias numa rota de desenvolvimento.
Uns quererão fazê-lo de uma maneira; outros de outra. Se uns apostam na continuidade do que têm feito, outros ousam pensar mais à frente, embora sejam logo acusados de ter ideias megalómanas.
Pessoalmente, e no que diz respeito ao concelho de Estarreja, estou do lado destes, porque entendo que um futuro diferente passará obrigatoriamente pela apresentação e concretização de ideias diferentes. Projectar e desenvolver o óbvio, pode traduzir-se nas inaugurações de arranjos de ruas, de piscinas, de Ribeiras, parques e afins e não passará disso, enquanto o concelho vai envelhecendo a passos largos.
Pelo contrário, um grande projecto começa sempre com um pequeno passo e, podendo discordar-se do seu interesse, não me parece que alguém tenha legitimidade para o condenar, sem que tenha havido a oportunidade de o concretizar.
E muito desta campanha passou por aí: pela condenação sistemática de projectos e ideias que, a serem concretizados, mudarão efectivamente muitas coisas em Estarreja. Não tenho dúvida sobre isso.
Jamais se viu tanto ódio durante uma campanha eleitoral. São os artigos de opinião na imprensa local; são os comentários nos blogues; são as conversas de rua; são as pessoas que não se falam; são os folhetos de propaganda; as inaugurações de coisa nenhuma tentando esconder a realidade, etc, etc.
Pergunto se terá valido a pena espalhar tanto fel pelo caminho...