Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

quinta-feira, maio 21, 2009

E CHAMAM A ISTO DEMOCRACIA

De novo a mordaça saiu à rua.
Um enfermeiro, achando-se vítima de injustiça, escreve ao Chefe deste Estado e acaba com dois processos que, muito provavelmente, o levarão ao desemprego. Diz-se que difamou a gerência do hospital e, vai daí, processo em cima. Estava a lutar pelo que julgava ser os seus direitos.
E diz-se que Abril trouxe liberdade de expressão.

Há dias recebi um mail que apelava ao voto em branco como a forma mais legítima de protestar contra esta gente sem escrúpulos que deambula, de Câmara em Câmara, de governo em governo ou de cargo em cargo, mandato atrás de mandato, como se fossem insubstituíveis. Dizia o mesmo que, se a maioria dos votos entrados forem brancos, a eleição é nula e novas listas terão de ser feitas, mas com outros nomes. Seria o caos.
Desconheço a veracidade deste facto mas a realidade diz, claramente, que nos últimos actos eleitorais o povo deles se tem desinteressado. A abstenção e os votos em branco ultrapassaram já os 41%, chegando quase aos 64% nas eleições para o Parlamento Europeu de 2004. É sintomático. E, a avaliar pelo que se ouve todos os dias, este número irá subir, e muito.
É tempo de rever o rumo que a política tem levado em Portugal sob pena de que, em breve, quem quer que seja eleito fique com uma falsa legitimidade para exercer qualquer cargo.
E isso cabe inteiramente aos partidos políticos, já que é deles que parte a indicação dos nomes que se apresentam a sufrágio.
Mas não se pense que isto encaixa apenas nas eleições para o governo ou presidente da República. Tudo começa na escolha das listas para as autarquias às quais os partidos dão tão pouca importância que só aparecem junto da população quando é preciso arranjar dúzia e emia de nomes. É então que se anda de porta em porta a mendigar a anuência deste e daquele, a quem não foi dada qualquer formação, ainda que básica, sobre os direitos e deveres de um eleito.
E é assim que se esvazia o papel das Assembleias Municipais e de Freguesia onde, por vezes, a inoperância é tal que chega a meter dó.
Deveriam os partidos entender que é nas juntas e assembleias de freguesia que tem de começar a qualidade dos eleitos, para que a mesma se estenda às Câmaras, Assembleias Municipais e Governo. E, para isso, é necessário algum investimento naqueles que virão a ser a base do sistema político do país, ou seja: os autarcas.

1 comentário:

Anónimo disse...

Pois eu sou a favor do voto nulo ou em branco. Se uma pessoa não for lá, "eles" dizem: estam-se marimbando. Se se for e votar nulo ou branco, "eles" pensam: então estes gajos vieram aqui e não votaram? Será que se estão a cagar para nós?... Já lhes deve dar que pensar...