Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

quinta-feira, dezembro 04, 2008

DO DIÁRIO DE AVEIRO


Estarreja: Câmara cede Escola do Roxico para projecto social

Na antiga escola primária do Roxico, em Fermelã, vai nascer um projecto social que permitirá ocupar os tempos livres dos seniores, crianças e jovens da freguesia fermelanense

O Centro de Apoio a Idosos e Reformados e Ocupação de Tempos Livres foi uma ideia da Associação Cultural e Recreativa do Roxico que recebeu da Câmara de Estarreja a cedência provisória e gratuita das instalações da antiga escola.
O protocolo entre ambas as entidades foi assinado ontem de manhã e dá início a um processo de remodelação do edifício que será dotado de capacidades funcionais para receber o público-alvo das suas actividades. “Apesar da simplicidade deste protocolo, este é um acto muito importante”, frisou José Eduardo de Matos, presidente da Câmara de Estarreja, no final da cerimónia. O autarca considera este um exemplo de coragem por parte da Associação Cultural e Recreativa do Roxico que pretende ajudar a colmatar a grave carência de falta de estruturas de apoio à população sénior na freguesia de Fermelã.
“Promover a realização de um envelhecimento activo e digno e a promoção global da personalidade do utente”, são objectivos que a associação assume no plano de desenvolvimento do Centro. A outra missão é “ocupar o tempo livre das crianças e jovens no período das férias de forma a dar resposta às necessidades sentidas pelos encarregados de educação”.
No Centro de Dia e Convívio, a Associação pretende satisfazer as necessidades básicas no que respeita à alimentação e aos cuidados de saúde, bem como promover actividades ocupacionais, convívios, passeios, relações com outros grupos etários e apoio psico-social. “Pretendemos ainda pôr a funcionar uma biblioteca e ludoteca com recursos à informática, onde as crianças, jovens e adultos possam ocupar os tempos livres e desenvolver capacidades e competências”, escrevem no plano.
Nos últimos dois anos lectivos, a Associação Cultural e Recreativa do Roxico ajudou a Câmara no fornecimento de refeições às crianças do jardim-de-infância do Roxico e da Escola Básica do 1.o Ciclo. O edifício está encerrado desde o final do ano lectivo anterior e no âmbito de um projecto municipal de reutilização dos edifícios escolares desactivados a Associação fica responsável pela nova missão da antiga escola.
À semelhança do que aconteceu com as escolas do Barreiro de Além e Água Levada, a Câmara disponibilizou os espaços colocando-os ao serviço da população. A colectividade garante a manutenção e limpeza dos espaços em causa e poderá partilhar o espaço com outras colectividades da freguesia, caso o município assim decida.
A par da cedência de instalações, a Associação Cultural e Recreativa do Roxico vai receber um subsídio de apoio às obras de beneficiação do edifício. A Câmara reconhece que a escola precisa de obras de melhoria e adaptação para conseguir responder às novas funções e entregará um subsídio de 20 mil euros para ajudar na intervenção que já estão a decorrer. A empreitada instalará uma rampa exterior e duas rampas interiores para melhores acessos a pessoas com dificuldades motoras, procederá à limpeza das paredes e tectos e também à reparação de fissuras e pintura do interior e exterior do edifício.

Carmen Martins

Esta é, assim, uma das outras finalidades das escolas do concelho de Estarreja...
Neste caso do Roxico, o encerramento da escola veio trazer um grande benefício à população idosa que, como se diz acima, se debatia com graves carências de falta de estruturas de apoio. Nem mais! Em breve já terão um local para jogar às cartas, ver televisão e beber uns copos pôr a conversa em dia.
Depois das obras concluídas, inaugurar-se-á então o Centro Social do Roxico.

1 comentário:

Anónimo disse...

Este é o tipo de notícia que deveria envergonhar qualquer administração pública, senão o país inteiro. Reconhecidas as carências, não se deixam de construir piscinas e pavilhões para as moscas se acolherem. OS socialmente carentes, entregam-se a grupos folclóricos a troco da habitual subsidiação, transferindo para os privados o que é obrigação do Estado. O lar de terceira idade que falta construir para os idosos de Canelas e Fermelã, não é obrigação do dito Estado, cujas responsabilidades sociais se ficam pela cobrança de taxas e impostos e financiamento de carnavaladas.
Um povo que não sabe exigir o respeito e dignidade de que é credor, provavelmente também não merece outra coisa. Ainda Há pouco tempos, o José Matos de Fermelã, argumentava que a localidade não precisava destes equipamentos até porque Fermelã já teria tido um centro de dia que fechou por falta de procura. Parece que de repente, as coisas mudaram.
É efectivamente lamentável o povo que somos.

AC.