Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

sexta-feira, maio 30, 2008

CURIOSIDADES DO GOOGLE

Quando sentimos necessidade de efectuar uma pesquisa sobre um determinado assunto, por mais estranho que ele possa ser, recorremos a maior parte das vezes ao poderosísimo motor de busca Google que, numa fracção de segundo, nos apresenta normalmente milhares de endereços com ligação ao tema pesquisado. Podemos mesmo dizer que a internet nunca mais seria a mesma se, de um momento para o outro, o google deixásse de existir.
Mas esta preciosa ferramenta tem também algumas curiosidades bem interessantes, como esta, por exemplo:
- Escreva "político honesto" na respectiva caixa. Depois clique no separador "Sinto-me com sorte" e... veja o que lhe aparece. Leia tudo e... sorria!
Outro aspecto, não menos curioso, é o facto o Google poder apresentar-se num fundo totalmente negro. Dizem os entendidos que aceder, [daqui], a esse motor de busca, reduzirá significativamente o consumo de energia.
Outra ainda - Google na vertical: Escreva Google mode e clique no separador "Sinto-me com sorte".
E, para terminar, o Google reflectido num espelho: Escreva "Google mirror" e vá novamente a "sinto-me com sorte".

quarta-feira, maio 28, 2008

QUEM QUER MIL EUROS?

Terça-feira, 27 de Maio. No seu horário nobre a RTP apresenta o concurso "Quem quer ser milionário".
A dada altura surge uma pergunta para os telespectadores, que em casa possam estar a assistir ao programa. Ei-la:
- Bifanas, Moelas e Pica-pau estão relacionados com:
Hipótese A - Gastronomia
Hipótese B - Fisico-Química
Hipótese C - Engenharia
Hipótese D - Geografia
Não recordo com perfeição se as hipóteses estavam alinhadas desta forma mas, segundo o apresentador, a resposta correcta valia 1000 euros.
Ó amigo Gabriel, lá que considere ignorantes as pessoas que diariamente o vêem, é lá consigo, mas demonstrá-lo assim em público para todo o país ver... já não parece que possa ter muita graça.
E já agora, e para facilitar, talvez não fosse descabido de todo, passar a constar uma outra possibilidade de resposta - a Hipótese E - de Estupidez!


terça-feira, maio 27, 2008

DATAS &DATAS


Todos temos ao longo da nossa vida algumas datas que ficam gravadas na nossa memória para sempre. Normalmente estão, positiva ou negativamente, associadas a algum acontecimento quase sempre de ordem pessoal.
27 de Maio de 1923 - trata-se de uma data que passará despercebida a muita gente, mas que teve um enorme significado na formação de muitos homens e mulheres deste país. Foi nessa data que, em Braga, nasceu oficialmente o CNE - Corpo Nacional de Escutas. Tinham passado 16 anos apenas sobre a fundação do Escutismo.
Quem, neste momento lê estas breves palavras, que mais não pretendem do que reconhecer a importância deste movimento no desenvolvimento saudável dos jovens, sentirá certamente uma nostalgia enorme, resultante de tantas imagens que vão passando na nossa memória.
Nesses tempos em que de telemóveis e computadores nem sequer se conhecia o nome, foi o Escutismo um dos principais movimentos a nível mundial, responsáveis pela formação e ocupação dos tempos livres, através da realização de extraordinárias actividades de convívio e harmonia com a natureza.
É certo que o mundo mudou e as últimas décadas do século passado, são disso um exemplo vertiginoso. O Escutismo teria também de mudar, acompanhando a evolução da sociedade e do mundo, sob pena de perder o seu enquadramento enquanto movimento cívico e útil a essa mesma sociedade. Mas a mudança afastou-o gradualmente das suas raízes, fechando-o sobre si mesmo, e transformando-o quase num movimento de sala, onde se ministram cursos e mais cursos. Mas o Escutismo não é isso, e é necessário que o movimento e seus dirigentes encontrem rapidamente uma forma de interessar os jovens e devolver-lhes as actividades em que possam desenvolver aquele espírito de aventura e criatividade próprios dessas idades, libertando-os das longas tardes e noites passadas actualmente em frente aos monitores dos computadores.
84 anos arrastam consigo História e histórias. Muitas delas contadas ao redor da fogueira, ao som de cantigas polvilhadas com orvalho e coloridas com o requinte, que só quem teve o privilégio de lá estar consegue imaginar e... saborear.
Parabéns CNE, por tudo o que me deste, e por tudo o que me proporcionaste aprender.

segunda-feira, maio 26, 2008

AINDA OS COMBUSTÍVEIS

Continua na ordem do dia o assunto dos combustíveis em Portugal.
O governo diz que não cede à tentação fácil de congelar os preços. E percebe-se. Afinal o Imposto sobre os Produtos Petrolíferos não tem aumentado.
O que se passa é, na verdade, fruto da especulação desmedida das gasolineiras que à custa dos cidadãos vão engrossando de dia para dia o montante astronómico dos seus lucros. Se não há falta de crude e se a produção diária tem inclusivamente aumentado, não haverá outro motivo a justificar o que presentemente se passa, que não a ganância desmedida das empresas petrolíferas, o que equivale a falar em Portugal, na Galp, e na BP.
Há dois factores que julgo não poderem dissociar-se de tudo isto: um é o facto de que a gasolina que hoje se vende nas bombas, terá sido comprada há pelo menos 6 meses (portanto a preços muito inferiores aos de hoje), tendo em conta que esse é o tempo assegurado pelas reservas do país; e o outro é a constante desvalorização do dólar que tem servido igualmente para justificar a presente loucura, mas que pode ser também uma falsa questão, uma vez que o aumento do preço do barril em dólares não tem reflexo de igual dimensão em Euros.
Se imaginarmos que no dia em que é decretado um aumento, por exemplo do gás, logo nesse dia o consumidor que se desloque ao revendedor, o vai pagar já ao preço actualizado ( mesmo que o revendedor tenha um assinalável stock), entenderemos facilmente o que se passa nos combustíveis. A isto chamam alguns de especulação, que leva ao lucro fácil. E é aqui que o governo deveria interferir, estabelecendo regras sensatas em defesa dos consumidores. E pode fazê-lo de várias maneiras, sendo que uma delas seria revogar a liberalização do preço dos combustíveis, uma vez que tal medida nunca produziu o anunciado efeito de redução do preço, chamando assim, novamente a si, a responsabilidade da gestão deste sector de capital importância para a economia do país. Senão veja-se a onda de protestos e lamentações que correm de norte a sul do país, desde o sector das pescas ao agrícola, e que levará muitos empresários ao abandono da actividade, uma vez que não lhes é possível fazer frente à concorrência que vem de fora.
Diz o Sr. ministro que, nesta matéria, Portugal está dentro da média europeia; esquece-se, no entanto, de que há outro parâmetro que altera o teor "brilhante" da sua declaração: os salários. Não se compara o incomparável, Sr. ministro. E o Sr. saberá, melhor que nós, que em termos de salários mínimo e médio, os portugueses estão muito aquém desses a quem o Sr. ousa comparar-nos.
Poderá esta minha modesta forma de ver a questão estar muito longe da realidade, mas não me parece.
Vale-nos o Euro - o do futebol - que virá passar muito em breve uma esponja pela mente da maior parte dos portugueses.

sábado, maio 24, 2008

sexta-feira, maio 23, 2008

NUM OUTRO PAÍS

É certo que já muitas linhas foram escritas acerca do encerramento progressivo das escolas do ensino básico, nas freguesias mais pequenas do concelho.
Mas, mesmo depois de tanta argumentação, que se julga suficiente para justificar o que continuo a classificar de um dos mais rudes golpes no futuro destas populações, não conseguirão, esses, os responsáveis, lavar as mãos como se tudo fosse inevitável.
Porque efectivamente o não é. E basta atentar nesta notícia do JN, para se perceber que a tal Carta Educativa do concelho, mais não serve que para tentar "atirar areia" aos olhos da população, sobretudo aquela que menos informação dispõe.
A notícia fala por si e dispensa muitas considerações.
Oliveira do Bairro é, tal como Estarreja, um concelho do distrito de Aveiro, do qual fazem parte 6 freguesias: Palhaça, Bustos, Troviscal, Oliveira do Bairro, Mamarrosa e Oiã. A curto prazo, estas freguesias irão ter oito novas escolas destinadas ao Ensino Básico e Pré-Escolar. Oito!
Entretanto por aqui discutia-se a falta de verbas, a necessidade de racionalização dos meios, os benefícios de uma escola que abarque 8 ou 10 anos de escolaridade ou a construção de ginásios em cada uma, etc. E diz-se até que a culpa é da tal Carta Educativa, elaborada por imposição governamental, que até esteve em consulta pública e que quem a desconhece não tem, ou não deve ter opinião avalisada para disto falar.
Pois claro, só quem a elaborou, discutiu e aprovou é que saberá (?) certamente porque o fez. Não se livrarão nunca é da comparação com outros que sabem exactamente o que pretendem para os seus munícipes, e que optam pela realização de obras de interesse público, numa clara demonstração de verticalidade e de projecção do futuro. Verticalidade essa, que se não consegue obter com a "espinha" curvada ou de olhos vendados.
Não conheço pessoalmente o Sr. presidente da Câmara de Oliveira do Bairro, mas daqui lhe tiro o chapéu, porque não foi em cantigas - dessas que vêm embrulhadas tipo encomenda - e soube tirar partido da candidatura ao QREN. E, mais ainda, quando assume publicamente que, se não houver financiamento, a Câmara chamará a si a responsabilidade da construção dos edifícios.
Venham lá agora os senhores de cá contar histórias ao povo!...

GOLPE

A notícia agora já não é o aumento dos combustíveis, mas quando eles não aumentam, tal como se pode ver aqui.
Porque me parece possível que resulte... sobretudo depois de conhecer a opinião de um conceituado economista da nossa praça...

quinta-feira, maio 22, 2008

POUPAR NOS COMBUSTÍVEIS

A loucura que actualmente se pratica em Portugal a respeito dos preços dos combustíveis mereceria uma atitude séria do governo que, no entanto, parece pouco interessado no assunto. E compreende-se, pois cerca de 60% do que pagamos pelos combustíveis, entra directamente nos cofres do Estado. O efeito da liberalização dos preços, ao contrário do anunciado, está a provocar o enriquecimento das empresas do ramo à custa da exagerada exploração do cidadão comum. Mas, é sempre possível fazer algo a este respeito e, se a despesa com os combustíveis pesa significativamente no seu orçamento, aqui fica um link que nos dá a possibilidade de saber onde pode poupar alguns euros. A informação disponível estende-se a todo o país, pelo que muita gente dela poderá tirar partido, quer viaje em serviço ou mesmo em passeio.
http://www.maisgasolina.com/combustivel-mais-barato/1/

domingo, maio 18, 2008

SINAIS

Há muitas formas de "enfeitar" rotundas ou placas similares. Esta que a imagem documenta, situa-se na cidade de Estarreja, concretamente em frente à CGD, e nela foram colocados motivos que, de alguma forma, se identificam com o concelho.
Os pequenos barcos e a mancha de água não negam a ligação à ria, aos esteiros e mesmo ao mar. Ligação essa que outrora ditou os caminhos da história destas gentes e que lhes moldou um estilo de vida, que agora se vai desvanecendo.
Por isso se saúda a preservação destes elementos prenhes de história e de riqueza incalculável.
Mas, no melhor pano cai a nódoa e, se à primeira vista se torna difícil descortinar qualquer elemento estranho, com um pouco de zoom, pode ver-se claramente um malfadado sinal que, embora envergonhadamente escondido, lá está efectivamente.
Além de inestético, não se compreende o motivo da sua colocação naquele local ou, se quisermos, a sua utilidade ou ainda, o que pretende indicar ali, na parte mais à direita da rotunda indicando um sentido obrigatório à direita, quando não é possível efectuar outro percurso.

sábado, maio 17, 2008

ATÉ ONDE CHEGAREMOS?

ASAE DEITA FORA COMIDA CONGELADA

A notícia do Expresso [aqui], traz ao de cima a face de um país em completa desorientação, ditada pela regra de que os fins justificam os meios. Acções deste género são, no mínimo, inclassificáveis e traduzem a degradação completa do espírito humano, enquanto nos levam a recordar outros tempos em que a prepotência do poder reduzia o ser humano a verdadeiros farrapos vegetativos, subjugados às loucuras de gente cruel.
A brutalidade de certas medidas, despidas de qualquer sentido humanista, descaracteriza o país e os homens, e faz da vida uma estúpida corrida sem que se lhe entenda o caminho.
É certo que havia necessidade de regulamentar as actividades económicas configurando-lhes um perfil de qualidade e salubridade. Mas daí a entrar-se na situação de descontrolo total em que já ninguém sabe o que pode ou não fazer, é tudo menos razoável.
Com base na segurança alimentar, que supostamente se pretende assegurar, cometem-se verdadeiros crimes, impossíveis de deixar passar em claro.
O mais grave é, certamente, a destruição de alimentos de que a notícia é exemplo.
Haverá alguém que se julgue no direito de cometer tal monstruosidade, quando se estima que cerca de 850 milhões de pessoas (sobre)vivem com graves problemas de subnutrição? As estimativas dizem que a cada 3,5 segundos que passam, morre uma pessoa à fome. Pensarão nisso os senhores da ASAE ou quem lhes dita as regras? E, se toda esta conversa não é suficiente para aclarar as ideias a esta gente, pode ser que o vídeo abaixo, os faça pensar um pouco nos exageros e nas loucuras que não têm o direito de cometer.



sexta-feira, maio 16, 2008

VIRTUALIDADES

Uma análise efectuada pela Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, revela que no próximo dia 19 de Maio, os portugueses da classe média, terão finalmente trabalhado o suficiente para o pagamento dos seus impostos. Ou seja: 139 dias a trabalhar para o Orçamento Geral do Estado.
Talvez pouca gente tenha consciência de que anda quase meio ano a trabalhar "de borla", mas é isso mesmo que acontece na realidade.
Não seria exagero algum se o mesmo Estado se preocupasse em aplicar esse dinheiro em benefício dos cidadãos, como seria seu dever, baixando, por exemplo, os custos da educação e da saúde e melhorando esses serviços básicos e essenciais a uma certa qualidade de vida que se deseja e a que todos deveriam ter direito.
Mas, ao invés, as escolas vão fechando, as maternidades e hospitais também, e as despesas com a educação, saúde e alimentação são cada vez mais elevadas. Tudo em nome de um falso relançamento da economia. Feitas as contas, o Estado não oferece nada em troca do que lhe entregamos.
Assim sendo, o tal Dia de Libertação dos Impostos, que deverá acontecer, como atrás foi dito, no próximo dia 19, parece-me, na prática, uma data virtual. Num país virtual, governado por gente virtual.

O estudo pode ser lido [aqui].

quarta-feira, maio 14, 2008

DIVAGANDO...

Com alguma frequência deparamos com alguns iluminados que, do alto do seu despotismo, entendem que só deve falar de determinado assunto quem tudo saiba sobre ele, ou pelo menos quem de algum modo lhe esteja relacionado. Pois bem, teremos então que só poderão falar de política, os políticos; só poderão falar de desporto, os desportistas; só poderão falar de justiça os advogados, juízes e afins; só poderão falar de costura, os alfaiates, modistas e costureiros (as); só poderão falar de economia os economistas e por aí fora...
É uma visão, que julgo deturpada, da realidade e do direito que assiste a todos os cidadãos de manifestarem a sua opinião acerca de um qualquer assunto, esteja ele ou não relacionado com a sua vida particular ou profissional.
De igual modo me parece ridícula a argumentação de que "só se aceitam opiniões de quem faça melhor." Demonstra uma clara falta de humildade e de competência, que se pretende disfarçar atrás da frase sonante. E digo ridícula porque não é forçosamente necessário que um qualquer cidadão entenda de arquitectura para opinar acerca de uma construção que, tecnicamente pode ser irrepreensível mas esteticamente miserável. E aqui começam então a entrar conceitos subjectivos que, por mais regras que existam são difíceis de explicar porque fazem parte, ou se alicerçam em padrões próprios, muitos deles inatos.
Da mesma forma não teremos todos de saber astronomia para saber que o sol aquece. Como aquece, porque aquece ou se ainda vai aquecer durante muitos anos, isso são outras conversas. Importa é que sentimos que ele aquece. E é nessa base que muitas vezes facultamos a nossa opinião: falamos no, e do que sentimos.
E incomodamos...? Talvez!
E até talvez nem aqueça, nem arrefeça. Que importa???

terça-feira, maio 13, 2008

OS MERCENÁRIOS

Por eles se enfeitam as janelas, varandas, telhados e carros;
Por eles se compram e banalizam milhares de bandeiras nacionais;
Por eles se falta ao emprego;
Por eles se esquecem os problemas do dia-a-dia;
Por eles se aglutinam multidões e multidões;
Por eles se bebe até cair;
Por eles, sim por eles, se gastam milhões e milhões;
Por eles... os mercenários.

Para ler [aqui].

POR FAVOR, NÃO GOVERNEM MAIS!

Imperdível [esta] crónica de Miguel Sousa Tavares, no Expresso, que traça um esboço perfeito da realidade da governação do país.
Subscrevo inteiramente.

E SE A IRLANDA VOTAR NÃO?

O homem que descobriu que o país estava de tanga mas que afinal acabou por tanguear todos os portugueses, tem o seu destino nas mãos dos Irlandeses.
A rafificação do Tratado de Lisboa é a prova de fogo a que está sujeito e que poderá ditar o seu futuro que, sabemos bem, ficará em qualquer dos casos, muito bem assegurado.
Por aqui houve gente que entende que não faz sentido votar um documento que não se conhece. Mas dá-lo a conhecer aos cidadãos é o que se está a fazer presentemente na Irlanda, para que a seguir se referende. E esse é, para mim, o caminho certo.
Já o disse, noutra ocasião, que uma decisão sobre tão importante documento deveria passar pela consulta popular. Assim o não entendeu o governo pois logo se apressou a curvar perante o apelo do Sr. presidente da Comissão Europeia. Sim, esse mesmo, que se apresentou ao eleitorado português e que foi merecedor da sua confiança, mas que ao fim de alguns meses se marimbou para o compromisso que tinha para com o país, e abalou à procura de Euros, desses que os há na europa à farta, não fosse também ele ficar... de tanga!
Engraçado é mesmo recordar os tempos em que o actual presidente da Câmara de Lisboa lhe não dava tréguas e criticava duramente a sua gestão do país. Pois foi esse mesmo presidente que recentemente lhe entregou as chaves da cidade de Lisboa...
E admira-se o Sr. presidente da República de os jovens se afastarem da política, quando há tantos motivos para que tal aconteça. E não só os jovens. Basta ver o crescente alheamento da população dos actos eleitorais.
O Jornal "O Público" traz hoje a notícia sobre os rendimentos dos Srs. Presidentes de Câmara. Uma leitura obrigatória [aqui], tendo o cuidado de fazer integrar o relato no contexto nacional, para que se perceba bem a dimensão do fosso entre uns e os outros.

domingo, maio 11, 2008

AS LISTAS DE ESPERA

Segundo a TVI, a Inspecção Geral de Saúde descobriu (finalmente) que o tempo médio de espera para uma cirurgia oftalmológica vai de um a dois anos. E isto sem o apuramento de todos os centros hospitalares, uma vez que 10 terão escondido as listas de espera e outros encerraram mesmo os serviços.
Ler [aqui].
Compreende-se que haja muita gente a ver mal neste país, o que não se compreende é que um médico espanhol aqui venha, e em 6 dias opere tantos pacientes como habitualmente... 5 médicos num ano inteiro e por metade do preço praticado nas clínicas privadas.
Ler mais [aqui].

quinta-feira, maio 08, 2008

COISAS QUE NUNCA HEI-DE ENTENDER

1
O sistema eleitoral do país que se reclama de o mais democrata do mundo!
Parece-me mais um acto de masoquismo político do que qualquer outra coisa.
A eleição do sucessor de G. W. Bush, acontecerá a 4 de Novembro!!!
As primárias começaram em Janeiro no Estado do Iowa!!!
Se alguém tiver pachorra para tentar perceber todo o processo, pode dar uma espreitadela [aqui].


2
O que leva certas pessoas a pensar que são insubstituíveis, e lhes tolda a mente a ponto de não saberem quando devem "ir pregar para outro lado".
Costuma dizer-se que há um tempo para tudo, e ter-se a noção do timing certo para o desempenho seja de que cargo for, é uma prova de idoneidade e inteligência.



3

O sistema de sinalização na EN 109, na zona do Campo da Cruz, na freguesia de Canelas.
Para quem sai do interior da freguesia, não há qualquer sinal que possa indicar quando é que se pode avançar. Ou melhor, quando acende o verde para os peões, acende (supostamente) o vermelho para quem circula na 109. Espera-se então que os veículos parem e que não haja ninguém a atravessar na passadeira...
De dia, difícilmente se consegue ver o tal sinal para os peões, o mesmo que funciona como referência para os condutores que pretendam entrar na EN 109.
E os acidentes têm acontecido e continuarão a acontecer.
A deslocação dos semáforos a sul para junto da rua do Ribeiro, e a norte para junto da rua da Estação, resolveria eficazmente o problema, uma vez que criaria uma zona de protecção para entrada e saída da freguesia, ao mesmo tempo que facilitaria a saída de ambas as ruas (Estação e Ribeiro).

Há coisas simples e tão óbvias, que nunca conseguirei entender porque se prefere viver no limiar do risco e a jogar na sorte.

FESTA NA ALDEIA

Se uma imagem vale mais que mil palavras, esta traz-nos à lembrança essas mil palavras e os sons, os cheiros e as tradições das festas da aldeia, desses tempos d'outrora.

domingo, maio 04, 2008

AH VALENTE!

Quinta-feira, 13h00. Conservatória do Registo Predial de Estarreja. Solicita-se uma Certidão do registo de 5 artigos rústicos parcialmente expropriados para a construção da A29. Dois/três minutos depois, um agrafo unia cinco folhas de papel A4.
- Quanto devo pagar?
- 95 Euros.
- Posso pagar com Multibanco?
- Claro!
Depois de agradecer o serviço prestado, a retirada em silêncio...
Valeu a simpatia do atendimento, nem sempre fácil de encontrar nestes sítios.
Fica-se a saber que uma Certidão de um prédio - leia-se, uma folha A4 - custa 31,50 Euros e depois por cada prédio a mais, se paga 16,00 Euros.
Ou seja, as Certidões dos mesmos prédios, pedidas isoladamente, custariam 157,50 Euros!!!
Em apenas cerca de 5 minutos e após meia dúzia de cliques no computador... numa repartição Portuguesa do Instituto dos Registos e Notariado.

ALTA VELOCIDADE

Calado o povo com o assunto da A29, cujo pagamento dos terrenos está a decorrer a bom ritmo atendendo ao que se passou aquando da construção do troço Ovar - Estarreja, em que não foram raros os casos de proprietários que só foram ressarcidos já os carros por lá circulavam, outra nuvem negra paira sobre o concelho e seus habitantes. Falo, evidentemente do TGV, sobre o qual muito se tem escrito e opinado.
Pessoalmente, já por aqui o disse, não faz qualquer sentido a construção de uma linha Lisboa - Porto. Os estudos que me parecem sérios, para isso apontam, atendendo à dimensão do território e aos benefícios (tempo) que se ganha. Aceita-se uma ligação a Espanha, a partir de Lisboa, Coimbra ou qualquer outro ponto mais favorável em termos de custos para o Estado. O resto trata-se da já habitual mania das grandezas dos nossos governantes, tal como em ocasiões anteriores das quais a mais recente aconteceu aquando da organização do Campeonato Europeu de Futebol. No final, quem paga é sempre o povo.
Vem isto a propósito da Análise Técnica da CME aos traçados apresentados pela RAVE. Parece-me um documento bem fundamentado e a merecer a convergência de todas as entidades e população para que tenha peso suficiente junto do governo. Enviado assim, singelamente, penso que não merecerá muito a atenção do governo, mas depois se verá.
Os motivos que lhe estão na base da fundamentação são os mesmos que deveriam estar presentes aquando da definição do traçado da A29. Parece-me de bom senso que se aprenda com os erros e, já que não houve engenho para tirar partido em favor do município, da construção da A29, que o mesmo não venha a acontecer de futuro com a linha da alta velocidade.
É importante que, a ser inevitável a sua construção, o município tenha para apresentar no momento certo, contrapartidas que ajudem ao desenvolvimento local, minimizando assim, o impacto negativo que a construção da linha vai ter.
E depois parece-me que seria de todo legítimo, que se isentassem os proprietários das parcelas afectadas de qualquer custo relativo à posse administrativa dos terrenos.