Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

segunda-feira, março 24, 2008

(IN)SEGURANÇA

Mário Crespo, um jornalista cujo trabalho admiro particularmente, publica na revista Única do Expresso, do passado dia 15, um retrato da nação muito à sua maneira e que não resisto a partilhar com quem habitualmente aqui passa:

SINTO-ME INSEGURO

Quando um acontecimento desportivo em tempo de paz mobiliza mais meios de segurança que a defesa do perímetro de Cabora Bassa na guerra colonial, sinto-me inseguro. Quando vejo a tolerância dos clubes de futebol pelos seus grupos organizados e agitadores, sinto-me inseguro. Quando um colega meu é atacado por um bando de marginais de cara tapada à entrada do meu local de trabalho, sinto-me inseguro.
Quando a principal artéria da capital de Portugal é fechada para deixar passar hordas fanatizadas de claques de futebol que marcham entoando cânticos javardos, sinto-me inseguro. Quando vou na rua e em vez de um polícia vejo um tipo com uma camisola e um capuz sinto-me inseguro. Quando tenho de meter combustível a meio da noite e sou forçado a romper uma barreira de cabeças rapadas e embuçados que se acotovelam frente a um caixa sitiado atrás de grades, sinto-me inseguro. Quando tenho que esgrimir o direito de arrumar o meu carro com gente esquisita que embrulha um instrumento afiado num jornal e me tenta guiar para onde não quero ir, sinto-me inseguro. Quando tenho que pagar ao parquímetro e ao drogado, sinto-me inseguro. Quando ando na rua e vejo um grupo a injectar-se indiferente a quem passa, sinto-me inseguro. Quando o meu governo me diz que não há cura para os vícios das drogas, sinto-me inseguro. Quando o organismo do Estado encarregado do combate à droga se chama Instituto da droga, sinto-me inseguro. Quando na página deste organismo dedicada aos jovens leio nas perguntas e respostas «P: É possível acabar com a droga? R: Talvez não», sinto-me inseguro. Quando se mata a tiro à porta de casa, na rua e nos parques de estacionamento, sinto-me inseguro. Quando mensagens tribais de morte, ameaça e injúria aparecem da noite para o dia pintadas nos muros da minha terra, sinto-me inseguro. Quando vejo as cidades portuguesas encherem-se de condomínios fechados, sinto-me inseguro. Quando vejo as empresas de segurança privadas a cumprir funções de que a ordem pública abdicou, sinto-me inseguro. Quando não conheço ninguém que não tenha na família uma história de assalto, de roubo, de brutalidade no trato quotidiano, sinto-me inseguro. Quando oiço o responsável pelo Gabinete Coordenador de Segurança do governo dizer que as estatísticas mostram que as coisas estão muito melhores, aí, sinto-me mesmo muito inseguro.
Deixámos de ver no que nos estamos a tornar.

Sem comentários: