Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

quarta-feira, dezembro 05, 2007

CARTA EDUCATIVA - 2

Passando os olhos pelo post do Notícias da Aldeia chamou-me a atenção o facto de o Abel referir que "na Blogo local se tem ultimamente falado da Carta Educativa..."
Como anteriormente aqui referi o assunto e, aguçado pela curiosidade de ler o que se escreve sobe o mesmo, fui visitando os Blogs do concelho. Confesso que já o não fazia há dias, por manifesta falta de tempo. E foi então que dei de caras com um post em jeito de resposta ao que escrevi sobre a Carta Educativa.
Pois bem, não tenho por hábito usar este espaço para responder a quem quer que seja. Normalmente os comentários que entendo dever fazer acerca deste ou daquele post, faço-os usando a possibilidade que o autor do blog nos dá através da sua caixa de comentários. Abrirei esta excepção, uma vez que foi assim a preferência do autor do post em questão.

E então terei de dizer que, em resposta ao que se escreveu aqui, o facto de as escolas de Canelas e Fermelã não terem duas condições básicas importantes numa escola moderna: a cantina e o ginásio, em nada altera a opinião que tenho acerca do assunto.
Considerarei sempre um erro o encerramento aqui, seja do que for. Os princípios que estiveram na base da construção da escola, do posto médico, da estação da CP, do Centro Social, da Residência Paroquial, etc. mantêm-se hoje, e traduzem-se na necessidade de dotar as populações de equipamentos que lhes tragam alguma qualidade de vida.
Hoje, o primeiro pensamento dos maus gestores que grassam por todo o lado, é fechar, fechar, fechar.
Terei de questionar se foi feito algum estudo com o fim de rentabilizar os equipamentos existentes, caso se manifeste necessário rentabilizá-los.
Terei de perguntar se a construção de uma cantina em Canelas e Fermelã não seria economicamente mais favorável do que construir a tal escola em Salreu para nela enlatar 9 anos de escolaridade.
Ou se é exactamente a mesma coisa meter crianças de 6 anos de idade ou de 10, em transportes públicos e deslocá-los para fora das suas freguesias.
Sabendo-se que a construção de uma escola Básica Integrada poderá servir para a fixação de novas famílias, poderei questionar também o porquê de a mesma vir a ser colocada em Salreu, uma das freguesias mais populosas. Não seria lógico deslocá-la então para uma das freguesias mais pequenas, ajudando assim o seu desenvolvimento?
E depois, quanto ao ginásio - outra obra necessária para a tal escola moderna - Canelas tem um complexo desportivo de excelente qualidade e que oferece óptimas condições, bastando para isso um acordo protocolar para que o mesmo possa servir de apoio às actividades escolares, como já anteriormente aconteceu.
Por tudo isto, não me parece que a questão deva ser colocada da forma que o Zé Matos a coloca: fazer duas escolas (em Canelas e Fermelã) ou uma que concentre os 9 anos de escolaridade porque nem Canelas nem Fermelã necessitam de escolas novas. Trata-se de uma falsa questão que emana de uma decisão política com base na Carta Educativa que, numa perspectiva social é simplesmente deplorável.
E se, como diz o Zé Matos, o país deve gastar bem o dinheiro que tem para a educação, então parece-me que as contas são fáceis de fazer se de um lado colocarmos o baixo custo da manutenção das escolas de Canelas e Fermelã, e do outro a construção de um novo complexo escolar, as despesas de transporte e os inconvenientes sociais que daí emanam.
Finalmente, não se percebe bem o porquê de, em tão curto espaço de tempo, se elaborar, se levar a discussão pública (?) e se promulgar uma coisa que não se apresenta como uma necessidade premente, e se não consegue acabar com a revisão do PDM que se arrasta há mais de uma década!

2 comentários:

noticiasd'aldeia disse...

Salreu porque está aperder população - conforme se verifica na palhada que é a carta educativa.
Cpts

Maria disse...

Este blog é o seu Camilo?...
Está lindo!!!!!...
Fiquei a olhar sem saber se tinha errado a porta.
Os meus parabens por esta beleza.
Assim é que é.
Gostei... gostei muito.
Cumprimentos