Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

sexta-feira, outubro 26, 2007

PELO FIM DA CAÇA NO BAIXO VOUGA


No último número de "O Jornal de Estarreja", o Sr. presidente do Clube da Caça e Pesca de Aveiro/Vouga, enche a totalidade da página 2 justificando, no seu entender, a necessidade imperiosa de se poder continuar a caçar nos terrenos do Baixo Vouga, concretamente nas zonas de Salreu, Canelas e Fermelã.
Está no seu direito, como cidadão e como caçador. Não tem é o direito de tentar inflamar os caçadores, ou a opinião pública, com um monte de babuseiras e, mais grave ainda, faltando à verdade.
Começa o sr. presidente, e em defesa da caça e dos caçadores do Baixo Vouga Lagunar (como se os caçadores estivessem ameaçados!), por dizer que, e cito, "No passado dia 21 e 22/10/2007, no Jornal de Estarreja e Jornal Diário de Aveiro, uma vez mais as 11 zonas de Caça Municipais que integram a Zona Lagunar da Ria de Aveiro e do Baixo Vouga, as quais representam 700 caçadores, que respeitam a Lei Geral da Caça, que pagam os seus impostos como cidadãos livres e responsáveis deste país, que pagam as suas licenças de Caça, são sistematicamente atacados por movimentos anti caça que por um pseudo movimento cívico que movidos por ideias FUNDAMENTALISTAS E IRRESPONSÁVEIS, tentam de forma utópica afirmarem-se como SALVADORES DO MUNDO, sobrevertendo em muitas ocasiões, a sobrevivência das espécies acima da sobrevivência humana."
Bom, terei efectivamente de dizer que no final deste longo parágrafo, dei comigo a pensar que muito mal vai a caça neste país, com presidentes deste calibre! E, desculpe-me o Sr., mas talvez devesse começar a pensar numa carreira política, pois parece-me que tem tudo para ter sucesso. Não leve a mal o conselho.
Quero dizer-lhe, como cidadão também livre que sou e que igualmente procura ser responsável, que a diversidade de opinião é um direito que assiste a todos neste país. Daí que, se em nome dos tais 700 caçadores, se pode concluir e estabelecer uma Zona de Caça Municipal nos campos do Baixo Vouga, da mesma forma se poderá entender o contrário se porventura 1000, 1500 ou mais cidadãos entenderem o contrário. Ou não?
Apelidar de Fundamentalistas e irresponsáveis cidadãos que o Sr. de lado algum conhece é, no mínimo, demonstrativo de uma falta de carácter inimaginável. Pois fique sabendo que, no número dos que o Sr. assim classifica, e a quem se julga no direito de ofender publicamente, se encontram cidadãos de todos os estratos sociais, desde o mais simples cidadão anónimo a Juízes de Direito.
Contrariamente ao que o Sr. afirma, não é verdade que estes cidadãos se manifestam contra a caça ou os caçadores. Não é verdade e tem sido dito desde a primeira hora. Não queira, por isso, subverter à sua maneira, o que nos move e que é tão só a preservação de um espaço único no contexto paisagístico do país, limitando a zona de Caça nestas freguesias.
Diz o Sr. que "respeitam a Lei Geral da Caça". Poderá informar a opinião pública sobre qual o artigo da Lei que permite o uso de potentes projectores altas horas da noite antes das 00h00 dos dias de caça? Poderá igualmente dizer-nos qual o artigo da mesma que dá suporte ao abate ou ferimento de espécies protegidas? Ou ainda, qual o que autoriza o disparo por entre as casas, em direcção ao que está pousado nos fios eléctricos?
Felizmente, não será esta a caracterização do caçador responsável, mas são situações destas que se continuam a praticar com a maior impunidade. E repare, nem sequer é isso que discutimos. Nada nos move contra a caça! Será necessário continuar a repetir?
Quando refere "sobrevertendo em muitas ocasiões, a sobrevivência das espécies acima da sobrevivência humana", quererá dizer que o exercício da caça é um acto de sobrevivência humana? Foi-o efectivamente na pré-história. Hoje é um exercício Lúdico, ou não? Dependerá hoje a sobrevivência do homem do exercício da caça???
E relativamente às gordas receitas em favor das autarquias... Salreu, Canelas e Fermelã... francamente!
Refere, mais à frente, que "alguns pseudo intelectuais que teimosamente continuam a criar gerações de mentalidade híbridas e no não saber estar e respeitar as forças vivas deste país e em particular os Caçadores Portugueses..."
Saberá V. Ex.ª do que fala? Quem é que não respeita quem? Em alguma das diversas acções levadas a cabo pelo Movimento Pelo Fim da Caça no Baixo Vouga, transpareceu falta de respeito e agressividade contra os caçadores, tal como o Sr. faz em relação aos não caçadores?
A comparação com o país vizinho é uma desesperada tentativa de incendiar - como o fez ao longo de todo o texto - os caçadores responsáveis e amigos do ambiente, que sabe bem não surtirá efeito algum pois desses, já muitos apoiam a causa e deixaram de caçar no Baixo Vouga, para o fazer na Zona a Nascente. É este um claro sinal de que, felizmente, há caçadores que o sabem ser.
Termino dizendo que o tom agressivo, provocador e infundado, que emana das suas palavras escritas enquanto presidente de uma Associação , em nada dignifica aqueles que praticam o Mui Nobre Desporto da Caça.
O respeito pelo direito à diferença é a base da democracia. Assim o entendamos todos.

2 comentários:

ms disse...

Como � poss�vel o representante de uma associa�o prestar declara�es t�o grosseiras...
CPTS

noticiasd'aldeia disse...

Está respondido e bem.
Cpts