Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

quinta-feira, maio 31, 2007

CIRCULO VICIOSO

Muito provavelmente devido ao interesse demonstrado pelos deputados do Bloco de Esquerda e pela sua intervenção directa relativamente os assunto das lamas, o Ministério do Ambiente, através da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, veio finalmente responder ao ofício enviado em 23.02.2007, pela Comissão de Acompanhamento aos Ilícitos Ambientais (CAIA), nestes termos:
"Para os devidos efeitos se declara que o Núcleo Operacional de Química Orgânica do Laboratório de Referência do Ambiente, devido a problemas no equipamento científico utilizado na determinação de Pesticidas, não tem possibilidade de apresentar no prazo estipulado os resultados analíticos das amostras com as N/ refª 6462 e 6463."
Esta declaração - pasme-se - é datada de 04 de Dezembro de 2006 e foi enviada à CCDRC no mês de Dezembro do ano passado. Na posse da mesma, a CCDRC apressou-se a colocar um "Arquive-se" em 26.12.2006.
Como atrás se disse, em Fevereiro a CAIA solicitou mais uma vez à CCDRC, a divulgação dos resultados das análises. A resposta veio apenas agora, estamos certos de que impulsionada pela acção do BE que fez chegar à Assembleia de República dois Requerimentos sobre o assunto - ler [Aqui].
As perguntas ficam no ar:
- O tal equipamento científico ainda se encontrará avariado, passados mais de 6 meses?
- Em caso afirmativo, não deveriam as análises serem enviadas a outro laboratório?
- Onde param as amostras recolhidas nos terrenos de Canelas?
- Haverá mesmo interesse por parte dos organismos oficiais, no apuramento e divulgação dos resultados?

Facilmente se pode verificar que desde o ano passado - e já lá vão mais de 5 meses - o caso não teve qualquer desenvolvimento, nem a CCDRC se preocupou mais com o assunto. Não fosse assim e a declaração ora enviada à CAIA, não teria a data de Dezembro.

Entretanto na maioria dos casos as lamas acabaram por ser envolvidas nos terrenos e, mesmo sem se saber o que neles foi depositado, hoje os mesmos se encontram cultivados.
O que quer que tenha sido despejado por aqui, entrará certamente na cadeia alimentar de animais e população.
A ideia será mesmo fazer esquecer o assunto, mas ainda há gente - embora pouca - que não está na disposição de que tal venha a acontecer.
Esperam-se para breve mais desenvolvimentos.


quarta-feira, maio 23, 2007

H V S - URGÊNCIAS



Começa, finalmente, a perceber-se...
Rui Crisóstomo, presidente do Conselho de Administração do Hospital Visconde de Salreu, em recente entrevista ao jornal "O Aveiro" disse tudo, ou quase. O resto é fácil de adivinhar.
Enquanto uns lutam e se recusam a aceitar decisões governamentais que prejudicam os habitantes das suas aldeias, vilas ou cidades; enfrentam o poder; fazem valer as suas razões e ganham, outros há que lhes batem palmas.
A entrevista esclarecedora [aqui].

sábado, maio 19, 2007

PARA O FIM DE SEMANA

Nasceu a 6 de Abril de 1941, em Gaesti, na Roménia, e o seu grande sonho era enveredar por uma carreira de acordeonista. No entanto, aos 14 anos de idade iniciou os estudos de Flauta de Pan. Continuou depois na Academia de Música de Bucareste e foi aluno de Fanica Luca no Conservatório da mesma cidade.

Expandiu a tradicional Flauta de Pan de 20 tubos para 22, 25, 28 e 30 para assim aumentar a sua escala.

A sua música refinada é hoje uma verdadeira embaixadora da cultura musical Romena em todo o mundo. Chama-se Gheorghe Zamfir e espalha magia com as suas "Panpipes".

Trago aqui uma das suas muitas interpretações: uma música calma, relaxante, enebriante, para um fim de semana tranquilo.

A sonoridade de excelência da Flauta, suportada por uma magnífica orquestra dirigida por James Last, o entendimento e o diálogo entre uma e outra, levam-nos a parar e a sentir a pureza e cristalinidade do som.

Um destaque também para a entrada esplendorosa dos trompetes que, num plano talvez pessoal, chega a ser arrepiante.





quarta-feira, maio 16, 2007

À PRIMAVERA



Ai, que terá a linda Primavera,
Risonha e folgazã por natureza,
Que coberta de pálida tristeza
Já não a vejo ser quem dantes era!

Veste-se d'azul, da cor da esfera:
Era das estações gentil princesa;
Dos prados, dos jardins era a beleza;
Dos prazeres de Amor gostosa espera.

As namoradas aves seus louvores
Já não cantam nas festas campesinas,
Nem já dançam as Ninfas c'os pastores,

Chorando sem cessar cobre as campinas
Co'as ondas do seu pranto; os seus clamores
Vaticinam, ó Céus, fatais ruinas!

Francisco Joaquim Bingre

quinta-feira, maio 10, 2007

NOTÍCIAS DAQUI

1. AINDA A VISITA DE MARQUES MENDES AO HOSPITAL DE SALREU

O Dr. Marques Mendes ter-se-á deslocado ao hospital Visconde de Salreu, juntamente com o Sr. presidente da Câmara Municipal, no passado dia 21 de Abril, ao que consta, sem ter anunciado tal visita.
Porque a mesma iria "perturbar o funcionamento normal dos serviços," foi-lhe negada a visita às instalações...
Bom, não nutro particular simpatia pelo líder da oposição, como aliás por político algum da nossa praça. Há algum tempo mesmo que todos me merecem a maior das indiferenças, que apenas posso manifestar através de um boletim de voto onde me recuso a colocar qualquer sinal.
Mas, neste caso da manutenção do serviço de Urgências do HVS, parece-me ridícula a guerrilha subjacente às cores partidárias, que alguns que se julgam políticos, por aqui vão fazendo.
Lamentavelmente assistimos à incapacidade de união em torno de um objectivo que deve ser comum, o que só favorece a concretização da ideia inicial: o encerramento do serviço.
Estamos ainda longe de qualquer acto eleitoral para que a tal visita possa ser encarada como uma forma de aproveitamento político. E, mesmo que o fosse, o que verdadeiramente importa para todos os habitantes do concelho, é a sensibilização do maior número de pessoas, nomeadamente daqueles que têm responsabilidades políticas a um nível superior. E neste caso talvez não fosse difícil "passar por cima" do tal jogo político-partidário que, esse sim, tem trazido bastantes prejuízos para o país e para o concelho.
Assim sendo, que se abram as portas aos Jerónimos aos Louçãs, aos Mendes, aos Portas ou a qualquer um que, por mais perto do governo e do Sr. Ministro, se encarregue de lhe falar com a voz dos estarrejenses. Certamente valerá mais do que umas horas de velas na mão.

2. O IC1 OU A29

Clama-se por aí que o adiamento da construção do troço do IC1 entre Estarreja e Angeja trouxe sérios prejuízos ao país. Mas se assim é, só o é por vontade política, ou melhor, por falta dela para levar por diante o traçado que melhor servia os concelhos de Estarreja e Murtosa, ou seja, o traçado inicial.
Voltar a falar nos motivos que levaram ao abandono desse traçado primeiro, é já nefasto porquanto se verifica que a lei não é igual para todas as situações semelhantes. A incompatibilidade da construção com o atravessamento de uma faixa de ZPE, não invalida no entanto que a mesma se venha a realizar destruindo mais uma vasta área florestal, bem como uma importante parcela da RAN.
Em breve aqui teremos a estrada, a poucos metros da A1, longe das zonas industriais e a uma curtíssima distância de várias moradias.
Cá por mim não tenho qualquer dúvida: a estrada não vem oferecer qualquer alternativa e terá sempre um peso negativo no concelho de Estarreja.
Lamentável é ver que se muda o governo, mudam-se as opiniões, o mesmo é dizer que, o que era verdade, para quem há pouco tempo estava na oposição hoje é falso e vice-versa. A falta de verticalidade, de carácter e de sentido de estado da classe política, a quem não é pedida qualquer responsabilidade mesmo após um (ou vários) mandatos ruinosos, vai arrastando o país para o lugar de onde jamais parece ser capaz de sair.





sexta-feira, maio 04, 2007

AGORA AS ESCOLAS!


Aí está mais uma medida à medida dos nossos políticos. A seguir ao mais que provável encerramento do serviço de Urgências do hospital Visconde de Salreu, na calha estão agora três escolas do concelho, a saber: a do Rochico, Vale Castanheiro (Salreu) e Água Levada (Avanca). A recente visita a Estarreja da Srª Directora Regional de Educação do Centro, ditou a sentença, a cumprir já no próximo mês de Setembro.
E as novidades não se ficam por aqui - segundo o Jornal de Estarreja - a concentração do ensino até ao nono ano em apenas quatro edifícios no concelho, fará encerrar a seguir, as escolas de Canelas, Veiros e Fermelã. Assim mesmo, sem mais.
Canelas, Veiros e Fermelã - claro! As freguesias pequenas do concelho!
Mais um rude golpe que contribuirá para a lenta asfixia das gentes destas terras que o governo e não só, teimam em levar por diante.
Estarreja, Avanca, Salreu e Pardilhó terão escolas. As outras freguesias não.
A seguir irão os Postos Médicos. E a seguir?
A seguir talvez seja altura de se começar a pensar num qualquer plano de integração das freguesias pequenas nas maiores... porque a seguir... poderão ir as Juntas de Freguesia e por aí adiante...
Canelas tem anualmente uma população escolar na ordem das 7 dezenas de alunos, número que seguramente justifica a manutenção da escola não fosse uma Carta Educativa que prevê o seu encerramento. A articulação com o ATL do Centro Social, traz descansados os pais das crianças quanto a horários, transporte e alimentação. Muito provavelmente o encerramento da escola arrastará consigo o encerramento do ATL. Mas a bola de neve não se ficará por aqui.
Haverá mesmo necessidade de se deslocarem as crianças de 6 e 7 anos para fora das suas freguesias? Será isto um sinal do tal anunciado desenvolvimento?

Por aqui continuamos entregues a nós próprios, tristemente à espera de umas supostas análises (desde Setembro) às toneladas de lamas que aqui despejaram; continuamos também à espera de um novo envenamento do esteiro pois a conduta de escape da estação da SIMRIA, lá continua no mesmo sítio e com a saída para o dito esteiro; perdemos a batalha do IC1 a poente da linha do caminho de ferro o que equivale a dizer que dezenas de hectares de terra fértil e de floresta serão trucidados pelas máquinas e revestidos de asfalto; virá a seguir o TGV fazer igual desvaste; a escola tem a chave na porta; fala-se já que o Posto Médico também...
É esta terra que um maldito PDM (em revisão há mais de dez anos!) foi asfixiando e condicionando negativamente.


Eu gostaria de dizer que esta simpática aldeia é um pequeno oásis verdejante, onde a população vive pacatamente os seus dias; que potencialmente possui uma das mais ricas zonas agrícolas do país - o Baixo Vouga; que tem um esteiro navegável e com ligação ao mar; que tem história, muita história, pelo menos desde o século XI; que foi o berço do grande poeta Bingre; que aqui nasceu o enorme jurista prof. Dr. Manuel Andrade e que tem à sua medida, as instituições culturais, sociais e desportivas de que precisa.
Gostaria de dizer que o Posto Médico vai ser ampliado para oferecer melhores condições aos doentes; que a escola vai ser dotada de instalações próprias que permitam a confecção das refeições para os alunos e que vão ser criadas novas salas para as actividades extra-curriculares; que o Centro Social vai ampliar os seus serviços; que a requalificação do esteiro e do campo está para breve; que as pessoas podem fazer as suas casas à medida dos terrenos que possuem. Enfim, gostaria de poder dizer que é possível viver aqui, porque nos deixam e nos dão condições para tal.

Ali ao lado, a "cidade" olha sobranceira, impávida, para a morte anunciada das suas aldeias... de braços cruzados, ou quiçá, a bater palmas.