Neste Blog continua a escrever-se Português de Portugal.

quinta-feira, abril 26, 2007

PORTUGAL INSTITUCIONAL

Quase tudo numa página - poderia dizer-se a respeito [ deste link ] verdadeiramente extraordinário.

Educação, Segurança Social, Diário da República, Loja do Cidadão , Repartições, Turismo, Tecnologia, Desporto, etc., etc., - tudo concentrado numa página só. No final, um [botão] para igual oferta, mas de índole desportiva.

É necessário tempo, muito tempo, para de desfrutar de tudo isto, mas vale a pena.

quarta-feira, abril 25, 2007

25 DE ABRIL - 1974

Há 33 anos Portugal vivia um dia histórico.As imagens abaixo falam por si.
Imagens de um povo solidário com o Movimento das Forças Armadas. Um povo que, privado da liberdade de expressão durante tantos anos e forçado a alimentar a guerra colonial, de repente vê a possibilidade de libertação.
Durante muitos anos o povo português viveu debaixo dessa auréola de liberdade trazida no dia 25 de Abril de 1974. As más políticas entretanto introduzidas no país por homens de renome mas sem experiência de governação, foram delapidando o património do Estado mas nunca em benefício do povo. E tudo era desculpabilizado em nome da Revolução de Abril e da conquista da Liberdade.
Mas mesmo a Liberdade tem o seu preço e hoje, passados todos estes anos, essa auréola protectora desapareceu e o país continua na já tão famosa "cauda da Europa".
Culpa-se a política e os políticos e começa a questionar-se se valeu a pena aqueles homens (Salgueiro Maia e companhia) terem arriscado as suas vidas, nessa revolução silenciosa que voltou a dar aos Portugueses o direito de sonhar...
Sonhar com um país livre e desenvolvido, recuperado do atraso socio-económico a que fora votado.
Certamente que valeu a pena mas... apenas metade foi conseguido: o país é livre mas o desenvolvimento...
Não é minha intenção dissertar hoje sobre o que poderia e deveria ter mudado no país nestes últimos 33 anos. O primordial objectivo deste post é deixar as imagens que, certamente muitos de nós guardamos na memória, mas outros... nem tanto.

sexta-feira, abril 20, 2007

PARA PARAR E... PENSAR



QUANDO NÃO SÃO NECESSÁRIAS PALAVRAS...






quarta-feira, abril 18, 2007

CAMPANHA DO MEALHEIRO

Quem se dirigir aos estabelecimentos comerciais do concelho encontra, normalmente em cima do balcão de atendimento, uma latinha com uma ranhura na parte de cima. Em alguns destes estabelecimentos, a tal latinha logo se mostra a quem entra, mas noutros permanece envergonhada num canto, espreitando por entre objectos ou produtos que ali se encontram à venda.
São as latinhas-mealheiros que os Bombeiros de Estarreja, com o apoio da CME de da SEMA, distribuiram por aí, na esperança de assim se angariar os 40.000€ pra a aquisição de uma viatura de combate a incêndios e também os 20.000€ que permitam dotar os soldados da paz com equipamentos pessoais adequados ao exercício das suas funções.
Nobres os objectivos, sem sombra de dúvida - os nossos Bombeiros merecem tudo. A sua entrega e abnegação, a prontidão e rapidez com que acorrem às inúmeras solicitações a que são chamados, são o testemunho de uma corporação de que o concelho se pode orgulhar.
Mas... ter de mendigar os cêntimos que vão caindo nas tais latinhas... para dar uma ajudinha... é no mínimo, surreal.
Então num país em que quaisquer membros do governo, deputados, presidentes de conselhos de administração de empresas públicas e privadas, presidentes de câmaras e até de algumas juntas de freguesia por esse Portugal abaixo, têm ao seu dispor verdadeiras "bombas" (o parque automóvel dos nossos políticos já foi classificado como um dos melhores da europa), então - dizia eu - os Bombeiros têm necessidade de mendigar por todo o concelho para poderem adquirir uma viatura de combate ao fogo ou para terem equipamentos dignos e condignos?

domingo, abril 15, 2007

INESQUECÍVEIS


As décadas de 60 e 70 são por muitos consideradas como as mais fabulosas no que diz respeito à produção de música, e ao consequente aparecimento de grupos, sobretudo de rock, alguns deles, verdadeiras lendas do panorama musical mundial. Hoje trago aqui alguns apontamentos de uma dessas bandas, tida como uma das maiores, senão a maior de todos os tempos... QUEEN, de seu nome.
Tudo começou quando, em 1968, Brian May eTim Staffel, dois estudantes do Imperial Collage de Londres, criaram uma banda a que chamaram “SMILE”. A eles se juntou Roger Tylor como baterista. Em 1969 a banda foi apresentada a Freddie Bulsara que viria a ser um grande admirador do grupo.
Quando em 1970 Tim deixou o Smile, Freddie juntou-se a Bryan e a Roger e mudaram o nome da Banda. Nascia assim o QUEEN. Entretanto também Freddie mudara de nome, passando a apresentar-se como Freddie Mercury.
Um ano depois John Deacon foi o eleito para baixista do grupo. Assim se completava o quarteto mais importante na história do rock britânico.
Depois de muitos ensaios e alguns trabalhos de menor importância, surge em 1973 a gravação do primeiro álbum intitulado “QUEEN”- uma mistura da religiosidade de Freddie com o rock no seu estado puro.
O grupo iniciou então a sua primeira tournée, abrindo os concertos da banda 'Moot The Hoople'. Na sequência desta tournée surge a gravação do segundo LP, “Queen II”.
Seguiram-se novas tournées pela Grã Bertanha e Estados Unidos, uma vez mais abrindo os concertos dos “Moot The Hoople”, mas rapidamente a sua actuação se tornou mais popular que a da banda principal.
Em 1974 um novo disco, 'Sheer Heart Attack', revela-se um estrondoso êxito mundial e a qualidade do grupo é reconhecida internacionalmente.
Em 1975 iniciam a sua própria tournée pelos Estados Unidos. O êxito foi de tal ordem que tiveram de efectuar dois concertos por dia para dar satisfação à legião de fãs. Em Abril iniciaram uma nova tournée, agora pelo Japão, onde foram recebidos igualmente por milhares de fãs.
Em 1975 lançaram o single 'Bohemian Rhapsody' que se converteu num enorme êxito. O LP 'A Night At The Opera' que se seguiu, deu-lhes o primeiro disco de platina.
No ano seguinte, novo disco - 'A Day At The Races' – novo êxito. Em Outubro de 1977 é gravado 'We Are The Champions' para cujo vídeo clip são chamados a participar os membros do clube de fãs. Após a gravação é-lhes oferecido um concerto gratuito como agradecimento por essa participação.

Em Outubro de 1977 lançam no mercado 'News Of The World' e um ano mais tarde 'Jazz'. Em 1979 surge o seu primeiro álbum ao vivo, 'Live Killers'.
Segue-se 'The Game', o primeiro álbum em que foram usados sintetizadores. Foi lançado em Junho de 1980 e foi um campeão de vendas, assim como o single 'Another One Bites The Dust', que se converteu no single mais vendido do mundo.
Em 1981 iniciaram uma tournée por diversos países da América do Sul, batendo records de assistência em países como o Brasil e a Argentina. Em Outubro de 1981 lançaram 'Greatest Hits', 'Greatest Flix' (colecção de vídeos) e 'Greatest Pix (um livro biográfico com fotos do grupo).
Em 1982 lançaram 'Hot Space' e em 1984, 'The Works', cuja canção 'Radio Ga Ga' se convirtem em novo exito, assim como 'I Want To Break Free'.
Em 1985 participaram no festival Rock in Rio, o mais importante até à data, tendo sido os grandes vencedores. A 13 de julho, participaram em outro festival, "Live Aid", o primeiro que se realizava contra a SIDA.
A cantora de ópera Montserrat Caballé, uma fã incondicional de Freddie, reuniu-se com ele na sua casa de Barcelona em1986. Ali decidiram efectuar a gravação de um disco em conjunto. Freddie escreveu então uma canção sobre Barcelona à medida de Caballé. O single surge em 1987 e o Comité Olímpico Espanhol adoptou-o como Hino oficial das Olimpíadas que viriam a ter lugar naquela cidade espanhola, no ano de 1992.
Em 1989 surgiu um novo álbum: 'The Miracle' que se revelou outro grande êxito. Por esta altura Freddie Mercury tem a noção de que a sua vida se aberiava do fim. A SIDA mostrava-se implacável. No final da década, o Queen é eleito como o melhor grupo dos anos 80.
En 1991 novo single, 'Innuendo', de quase sete minutos.
Por esta altura a doença de Freddie influencia os discos que a banda edita e as suas letras falam da chegada de um fim que o próprio Freddie pressentia mas que ninguém conhecia.
Entratanto, em fins 1991 publicaram 'Greatest Hits II'.
A 23 de Novembro de 1991, Freddie anunciou ao mundo que padecia de SIDA. No dia seguinte falecia em sua casa, rodeado de familiares e amigos.
Em homenagem a Mercury foi lançado um duplo single com dois temas: 'Bohemian Rhapsody' e 'These Are the Day Of Our Lives'. O dinheiro das vendas foi entregue a uma organização de luta contra a SIDA.
Em 20 de Abril de 1992, no Estádio de Wembley realizou-se um concerto de tributo a a Freddie. Os 72.000 bilhetes foram vendidos em apenas seis horas sem se saber sequer quem iria actuar. O concerto foi transmitido em directo para mais de mil milhões de habitantes de todo o mundo.
En 1995, depois de quatro anos de trabalho, saiu para o mercado o último trabalho da banda com Freddie Mercury com o título 'Made In Heaven', tendo Freddie colaborado com a sua voz, durante os últimos meses da sua vida.
Em finais de 1995 editaram o que foi o último álbum da banda, 'Ultimate Queen', uma caixa de luxo com os 20 discos do Queen. Poucos meses depois editaram o seu último disco, 'Queen Rocks', com uma canção dedicada a Freddie, 'No One But You (Only The Good Die Young)'.

segunda-feira, abril 09, 2007

GRANDES VOZES

A par de a "Caixa de Correio", Grandes Vozes será também uma presença de quando em vez.
O gosto por este ou aquele estilo musical será sempre, obviamente, muito pessoal. No entanto há vozes que jamais deixarão de cantar ou instrumentos que tocarão para sempre.
Para início, duas vozes bem portuguesas que são um portento!

domingo, abril 01, 2007

EFEMÉRIDES

MARQUES SARDINHA
A 02 de Abril de 1859 nascia no lugar da Sardinha, freguesia de Avanca, José Maria Marques, filho legítimo de Domingos Marques e de Maria Valente da Fonseca. Devido a esse lugar que o viu nascer, viria a ser co nhecido por Marques Sardinha.
Cedo começou a cantar e a música teve algum relevo na sua vida. Todavia a fama de Marques Sardinha haveria de surgir devido ao seu talento inato de cantar ao desafio. Ficaram para a história os seus descantes com a estarrejense Maria Barbuda, em inúmeras festas e romarias, de tal forma que a sua arte acabou por chegar à corte. Conta-se que a Rainha D. Amélia, rendida ao seu talento, o distinguiu com um magnífico relógio de prata e o tornou conhecido como "O Cantador Real".
Sou o Marques, de Sardinha
Nado na areia de Avanca
Não posso mostrar carinhos
A quem a mi faz carranca.
Se um dia for's a Avanca
E préguntares pelo Marques,
Qualquer pessoa te diz
Que é home de quatro artes.
Primeira: sou lavrador;
Segunda: sou musiqueiro;
A terceira, cantador;
E a quarta, sou... putanheiro!
Com 81 anos, viria a falecer, solteiro, na sua terra natal, a 1 de Abril de 1941. Foi há 66 anos.